AS férias com o bull da minha Esposa

Ela fez-me um movimento com o dedo da cama para se aproximar. Ela estava absolutamente linda, os longos cabelos ruivos espalhados no travesseiro, a maquiagem ainda pesada do encontro de ontem à noite. Cheguei mais perto, a mecha do meu aparelho de castidade estalando contra o tubo de plástico, uma corrente de pré-caspa perfurada na ponta. Ela estendeu a mão enquanto eu me aproximava e acariciou minhas bolas. Dobrei-me e beijei-a nos lábios.

“Feliz Natal Rainha!” Eu disse enquanto partíamos o nosso beijo. Eu estava a crescer dentro da minha prisão de plástico, mas a adorar cada minuto.

“Feliz Natal para ti, para a minha filhinha!”

Ela continuou a acariciar as minhas bolas e reparou que o meu pequeno galo vazava antes de ejacular da sua gaiola de plástico. Ela correu com o dedo na ponta da gaiola de plástico, pegou um pouco do meu pré-espinha e ergueu o dedo. Eu lambi e chupei o dedo dela como um bebê amamentando em um biberão.

Ela puxou lentamente as capas para trás, abriu as pernas e disse: “Aqui está o teu presente de Natal, meu pequeno filho da tua Rainha e do teu José”.

José era o amante da minha mulher e eles já se viam há cerca de um ano. Ironicamente só estamos casados há cerca de um ano. Quando nos conhecemos, eu tinha acabado de passar por um divórcio difícil onde a minha mulher me tinha deixado por outro homem. Decidindo que eu não queria passar pela vida escondendo quem eu era, quando conheci minha atual mulher eu estava 100% à frente com ela sobre meu fascínio por cornos e o estilo de vida feminino.

No início ela estava um pouco relutante como a maioria das mulheres que pensam que seus maridos querem uma licença para transar com outras mulheres. Mas eu fui devagar com ela e decidimos ir por este caminho de mãos dadas. Eu a educei para os caminhos do estilo de vida feminino ou uma relação liderada por uma mulher e depois a introduzi na corneta explicando como meu último casamento havia terminado em divórcio porque nem todos estavam na mesma página.

Eu não vou dizer que ela se entregou como um pato à água, mas ela começou a fazer muitas perguntas, o que é sempre uma coisa boa. Eu me dediquei totalmente a servi-la. Dei-lhe presentes, tomei banho, lavei-lhe o carro, dei-lhe todas as necessidades, fiz com que ela se viesse sempre de novo, sempre com a certeza de que ela estava totalmente saciada antes de me vir.

Depois de um tempo, ela se acostumou muito a que eu a servisse. O passo seguinte envolvendo a corneta foi um pouco mais difícil, mas novamente com suas inúmeras perguntas e minha paciência em responder, ela estava pronta para tentar.

Colocamos um anúncio na Craigslist e a data foi marcada. Naquele dia, no quarto do hotel, ela era uma pessoa diferente. Ela estava na casa de banho a preparar-se quando o nosso ‘Bull’ bateu à porta. Como instruções dela, eu estava vestida apenas com collants e o meu CB3000. Respondi à porta e deixei o Nick entrar, dei-lhe um copo de vinho e tirei-lhe o casaco.

E depois ela saiu da casa de banho. Que visão! Ela usava uma meia-calça preta, com uma saia curta de ganga e uma camisa branca e saltos altos. Eu estava pronto para me vir ali mesmo!

Eu derramei-lhe um copo de vinho, ajoelhei-me e comecei a massajar-lhe os pés enquanto ela e o Nick falavam. Ela falou-lhe dos seus desejos e dos meus e ambos conversaram como se eu não estivesse lá. Era o paraíso. Finalmente o Nick ficou de pé, deu-lhe um copo de vinho e beijou-a. Enquanto ele fazia isso, ele desabotoou as calças e me fez um movimento. Eu entrei e, sem que me dissessem, tirei o seu grande pau para fora e comecei a chupá-lo.

O resto da tarde, quando passava num instante, mas um instante incrivelmente erótico, da mesma forma. Nick fodendo-a nas costas dela, de quatro, ela sentada em seu pinto, eu lambendo sua clitoris molhado antes e depois que ele estava nele, eu chupando seus mamilos e beijando-a e dizendo a ela o quanto eu a amava. Finalmente, depois de cinco orgasmos dela e dois dele, deslizei o preservativo Magnum do seu semi-erecto mas ainda muito maior que o meu pau e limpei ambos antes de ele sair.

Ela então procedeu para me provocar por mais uma hora, dizendo-me como o Nick era grande e como ele a tocava em lugares que eu nunca poderia ou faria. Foi tão intenso que cheguei até com o aparelho de castidade ligado. O que ela achou incrivelmente erótico.

Aquele dia marcou um ponto de viragem. Eu me dirigi a ela como Rainha e ela se dirigia a mim como seu namorado. Nós nos casamos pouco depois e eu concordei com ela que para estar em uma relação totalmente feminina eu precisava entregar tudo o que eu tinha para ela. Assim o fiz, a casa, carros, barcos, contas bancárias, propriedades, tudo o que eu tinha.

Daquele dia em diante eu estava à sua mercê. Eu era dela para com o que ela quisesse. Mas ambos adorámos cada minuto dela. Ela fez questão de dizer às namoradas que tinha um marido totalmente atencioso em todo o sentido da palavra. Não era segredo para elas que eu fazia todo o trabalho doméstico, cozinhava, limpava, lavava roupa, trabalhava no quintal, e o nome é que eu o fazia. Ela não precisava de levantar um dedo e ambos adorávamos isso.

A minha recompensa foi o privilégio e a honra de lamber a rata e o rabo dela durante horas a fio, enquanto me ajoelhava à beira da cama trancada no meu tubo de castidade. Todos os cornos sonhavam em ser soltos do meu tubo apenas quando ela achava que estava em forma e só permitiam fodê-la quando ela sentia que eu o merecia. Eu implorava para colocar a minha pila dentro dela e ela me insultava e dizia,

“Acho que não é assim, meu filhinho, é para lá que vão os verdadeiros homens!” E depois de implorar e suplicar, ela me deixava entrar com a condição de que quando eu viesse eu tinha que lambê-la limpa.

Sempre suspeitei que havia esperma de outros homens na rata dela, mas ela nunca o confirmava ou negava. Isso me deixava mais louco do que se ela me tivesse dito, mas eu sempre me conformava e deslizava mansamente entre as pernas dela e me lapidava o esperma e quem mais estivesse lá de bom grado. E depois veio o José…

José era um médico que conheceu enquanto viajava para uma conferência fora do estado. Acontece que ele morava a apenas quinze minutos de carro de nossa casa, para onde se mudara após o divórcio. A semana em que ela esteve na conferência foi um inferno. Ela me enviava fotos de si mesma toda vestida e pronta para ir às reuniões ou às recepções à noite. Escusado será dizer que o traje noturno era muito mais arriscado do que o de dia.

Na sua chegada a casa, na sexta-feira à noite, encontrei-a nua, como me instruiu na porta, vestindo apenas o meu “brinquedo”, pois ela tinha vindo para se referir ao meu dispositivo de castidade. Nós nos abraçamos, nos beijamos e eu disse a ela o quanto senti falta dela. Ela disse-me para lhe ir buscar um copo de vinho e encontrá-la no quarto. Dois copos de vinho mais tarde, eu estava de joelhos a dar uma volta no que presumi ser o esperma do José na rata dela enquanto ela me contava histórias da sua semana fora da cidade e do tipo fantástico que o José era.

Aquela noite marcou mais um ponto de viragem na nossa relação. Daquela noite em diante ela só tinha dois homens na vida dela, eu e o José. Beber o seu esperma da rata dela naquela noite deixou-me tão quente que eu teria feito qualquer coisa por ela. A maioria das pessoas ‘normais’ nos achariam ‘estranhos’ ou ‘doentes’ pelos nossos desejos e estilo de vida, mas isso funciona para nós.

Eu amo tanto a minha mulher e eu faria QUALQUER COISA por ela. Anseio por ela quando ela não está comigo ao ponto de me doer o coração quando ela não está aqui. Apesar de tudo, eu sei que ela voltará para casa e que, mesmo que José lhe dê algo que eu nunca poderia fazer, que eu sou o homem da vida dela.

José está plenamente consciente de mim e do nosso estilo de vida e ele também o abraçou. Do ponto de vista dele, quem não o faria? Quero dizer, ele fica com uma cabeça vermelha alta, perneta e mamalhuda, cujo marido o prepara para ela, lava a roupa, limpa a casa e está praticamente às ordens deles e telefona noite e dia. Então ele seria louco em não viver a vida ao máximo e aproveitar-se dela.

Veja a outra noite, por exemplo. No meio de uma tempestade, José ligou para nossa casa e conversou um pouco com Rainha e depois ela me entregou o telefone.

“Olá, senhor.”

“Como está a minha filhinha hoje à noite? A fazer a Rainha feliz?”, ele roncou.

“Sim, sim, senhor.” Eu disse docilmente.

“Muito bem. Agora ouve, estou com vontade de comer um gelado de Chunky Monkey Monkey’s do Ben & Jerry’s, por isso preciso que me tragas um pouco e despacha-te!” Clique e o telefone desligou-se.

Antes de sair de casa, a minha Rainha mandou-me vestir os meus pijamas ‘especiais’ antes de ir à loja. Os meus pijamas ‘especiais’ que ela e o José compraram para mim consistem em pijamas de seda rosa; o top é um cami top com renda italiana de cetim bordada no glamoroso corpete see-thru com alças de esparguete ajustáveis delicadamente e fundo rosa a condizer.

Eu estava congelando quando saí de casa com meus pijamas e enfrentei a nevasca para conseguir seu sorvete para o José. Graças a Deus a nevasca teve a maioria das pessoas nevando, pois a loja de conveniência estava deserta quando eu cheguei e exceto algumas sobrancelhas levantadas dos dois balconistas eu consegui entrar e sair rapidamente.

Quando cheguei ao José e bati à porta ele gritou para que eu entrasse. Trouxe-lhe o gelado enquanto ele estava no sofá, a falar com a Rainha. Ele apenas me pediu que o pusesse no congelador e me dispensou.

Uma vez em casa, Rainha me disse que eu era tão boa esposa por fazer o que José e ela me pediu que me deixasse lamber a sua vagina e o seu cu até o orgasmo. Eu mergulhei entre as pernas dela e lambi como um cão com um osso. Adoro lamber as regiões inferiores da Rainha e adoro dar-lhe prazer. Implorei-lhe que me deixasse vir quando eu acabasse e ela disse que sim, mas eu não conseguia tirar a minha gaiola.

Então eu fiquei na beira da cama enquanto ela brincava com minhas bolas e me fazia vir me ordenhando dentro do meu aparelho. Eu era obrigado, como sempre, a pegar na minha mão e lamber tudo como um bom rapazinho deveria.

E assim nossa vida continuou e nós dois adoramos.

A noite passada foi véspera de Natal e Rainha e José tinham ido à sua festa de Natal enquanto eu ficava em casa e limpava as duas casas, lavavava a roupa, embrulhava os presentes de Natal um para o outro, pois iam trocar presentes na nossa casa depois da festa. Eu tinha a casa decorada lindamente,

presentes embrulhados, com champanhe gelado e estava no meu pijama e na minha cama que fica do outro lado da casa do quarto da Rainha. Ouvi-os entrar e ouvi risos abafados e depois os sons inconfundíveis do orgasmo da Rainha quatro ou cinco vezes enquanto José a fodia.

Na manhã de Natal, acordei para um pequeno prato ao lado da minha cama com meio biscoito de chocolate e um preservativo cheio ao lado. A ideia do José do biscoito e do leite do Pai Natal e eu sabia o que tinha de fazer. Então eu esvaziei o preservativo no biscoito e comi-o como um bom rapazinho deveria. Depois fui para o quarto da Rainha.

Foi lá que ela me fez tirar o meu ‘brinquedo’ e ir buscar uma fita métrica. Esta foi uma das incontáveis humilhações que ela fez de mim, lembrando-me constantemente que eu estava num casamento liderado por uma mulher e o seu corno consumado. Eu trouxe a fita adesiva para a cama dela e ela sorriu e apoiou-se no cotovelo e pegou na fita adesiva e mediu o meu pequeno galo.

“O que é que diz, querida?” Ela sorriu e sabia da humilhação adicional de me fazer dizer isto em voz alta.

“Rainha de dois centímetros.” Eu disse, desanimado.

“É isso mesmo! E é por isso que tu és o meu bom rapazinho. Porque a tua pila minúscula é só dois centímetros macia e só quatro centímetros quando é dura como rocha. E vejamos, quais eram as medidas do José da última vez que te pedi para o medires?” Ela disse-o sabendo muito bem que eu tinha os números comprometidos com a memória.

“Hum, ele tem seis polegadas totalmente macio e oito polegadas totalmente duro e cinco polegadas à volta de Rainha.” Eu senti que queria chorar, mas olhando para o seu corpo incrivelmente lindo, pernas abertas com o esperma do José aninhado ali dentro eu não chorei, mas sorri, sabendo que este era o melhor presente de Natal que a minha linda esposa poderia me dar e Deus eu a amo por isso.

Feliz Natal e que Deus nos abençoe a todos!

One thought on “AS férias com o bull da minha Esposa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.