Marido Submisso Aprende uma Lição

Eu era escravo dela quase dois anos antes de ela ter um amante. Ela apoderou-se da minha fantasia submissa, tornou-a completamente dela. No início, estava a falar sujo quando eu a servia. Ela começou a “expandir-se” sobre isso, tornou-se muito cruel, provocadora e dominante. Ela também começou a verificar os sites dominantes. Após cerca de seis meses, ela era uma mulher completamente dominante, egoísta e preocupada com a sua satisfação sexual e doméstica.

A primeira vez que ela educou estar com outro homem, além de me provocar com isso quando ela ainda usava o que ela chamava de minha ‘pilinha’, ou me fez cair em cima dela até ela chegar, foi depois que ela voou com raiva sobre as minhas tarefas domésticas. Foi durante o que se tornou uma verdadeira disciplina, sessões de castigo severo. Ela estava tomando o controle completo de mim e da casa dela…

Ela traz a fina colheita preta de montar entre as minhas pernas, bate nas minhas bolas e na fenda da minha traseira ao mesmo tempo.

“SNAP!

Eu grito. Ela ignora o meu choro, bate-me outra vez, com mais força.

“SNAP!

“Deixe-me repetir, você nunca, nunca me questione. Nunca.”

“SNAP!” Ela olha-me fixamente. Eu começo a soluçar…

“Por favor…por favor…” Eu choro muito.

Estou nua, excepto para trancar a coleira do cão. Está presa a um anel na parede, um gancho na cintura puxa o meu pescoço até à parede. Estou ajoelhado, trancado por uma corrente curta 3″ na parede, de joelhos com o rabo empurrado para trás na direcção dela. Meus tornozelos são mantidos separados por uma barra espaçadora de dois pés de comprimento, presa em cada extremidade às algemas de couro no tornozelo. Meus pulsos são algemados por algemas de couro ao mesmo anel no pescoço até a parede, almofada travada.

“A mamã vai ficar muito séria agora. Levar-te até aqui, bater-te, dar-te algo em que pensar. Deixa-me ver-te a vestir saltos sexy, coisas dominatrix, tu gostas disso, não gostas? Queres ser o meu rapazinho especial?”

Ela anda atrás de mim.

“Até agora, temos andado a brincar com isto. És castigado por seres um mau rapazinho, mas tem andado a brincar. Até agora, mariquinhas.” Sinto medo enquanto ela anda mais depressa atrás de mim.

“Estou um pouco frustrado. Digo-te para limpares a casa; tu não. Dê um jeito na sua pila, vendo-me com uma roupa sexy, tudo pela sua fantasia egoísta de se masturbar. Eu digo-te para me foderes. Tu não, não como se eu precisasse, de qualquer maneira. Eu sou uma mulher muito frustrada.”

‘SNAP, SNAP!’ Ela bateu-me duas vezes rápidas e muito dolorosas directamente no meu rabo. “Queres brincar comigo a sério? Queres!?”

“Sim, mãe…oh, sim…”

“SNAP!

“Então ganha esse privilégio.” Ela estica-se e põe a mão com luvas na minha traseira. Sente o lugar em que ela vai bater. Ela tira a mão de cima de mim, levanta-se e bate-me quinze pancadas rápidas e duras com a sua colheita de equitação.

Começo a chorar alto, fico quase histérica, sinto vergões a subir na minha retaguarda, nas costas das minhas pernas. Estou de joelhos, a soluçar incontrolavelmente. E depois pára.

Ela deixa cair a colheita. Caminha para uma cadeira ao meu lado, senta-se. Ela olha para mim. “Foda-se, tu irritas-me! Seu merdoso.” Ela aproxima o seu rosto de mim, inclina-se para a frente pode sentir o seu hálito, cheirar o seu perfume.

“A escolha é mesmo tua, rapazinho. Passas tempo aqui em baixo assim ou passas tempo a fazer o que te mandam fazer e a ganhar as tuas recompensas.” Ela tira uma luva, estica-se para baixo e copia as minhas bolas e pénis por trás; para cima entre as minhas pernas. Ela me esfrega gentilmente. “Agora, não é muito mais divertido do que uma chicotada?”

“Sim, mãe, sim.” Não consigo parar de chorar, respondo-lhe através das lágrimas de soluço.

Ela está usando calças pretas justas, uma blusa branca crocante, tem o cabelo puxado para trás em um estilo de pãozinho muito severo. Ela está usando luvas curtas de couro macio preto e tem no 3″ botas de salto alto. É o seu “traje de castigo”. Se eu entrar na casa, vê-la vestida assim, vou para o porão e espero por ela, me despojo e coloco meu colarinho, me ajoelho. Eu sei o que vem a seguir. Não é sobre a minha fantasia sexual. Hoje é diferente, nunca tinha sido chicoteada tão severamente por ela.

A acariciar-me, como a ordenhar-me por trás, ela puxa pelo meu pénis, bombeia-o. Começa a bombear mais rápido, passa a cabeça dela pela mão. Ela ri como uma garotinha.

“Ooooo, pilinha dura na minha mão.” Ela bombeia-o, acaricia-o lentamente, pega na ponta do dedo e passa-o por cima da cabeça. Ela sabe que me deixa louco quando faz isto, sabe que farei qualquer coisa por ela só para que ela o toque assim.

Ela tira a mão de cima de mim, empurra-me para fora da mão dela. Ela põe a luva de volta. Apanhando a colheita de montar, “Deixo-te lamber-me, deixo-te foder-me, deixo-te pôr aquela triste coisinha mariquinhas em mim. Deixo-te ejacular sobre mim depois de alguns minutos a esfregar em mim! Sabes a sorte que tens?” Ela corre a ponta da bota dela pela racha da minha traseira. “Digo-te para fazeres algo e tu não fazes. Estou muito chateado contigo, muito!”

Ela fica de pé e começa a chicotear-me as costas, as coxas exteriores, entre as pernas, com muita força e muito rápido, por todo o lado. Ela olha enquanto eu me contorço e me masturbo, tenta evitar os golpes. Ela chicoteia meu pênis até ficar completamente macio, entorpecido. Meus gritos e gritos são ouvidos apenas por ela. Nós estamos na sala de castigo da cave. Ela acaba, larga a colheita para a cadeira. Ignora as minhas histerias, os meus soluços e implorações, estou coberto de vergões e lágrimas.

“Pirralha mimada, não estou contente contigo. Algumas amantes, obrigam os seus escravos a fazer coisas de casa de banho. Eu não faço isso contigo. Eu trato-te melhor do que a maioria. Não faço?”

Eu respondo-lhe, através de soluços. Ela ri-se. “Tens sorte que essas coisas me enojam, rapazinho muito sortudo, tens isso feito à volta dela. Você vai ver.” Ela caminha para as escadas: “Isto é para o seu próprio bem! Espero que aprecies a forma como te treino para seres um bom marido.”

“Sim, mãe, eu sei.” Apressei-me a responder, virei a minha cabeça para ela; cortei-a a meio da frase: “Sim.” Eu olho para o chão.

Ouço-a rir com força. “Bem, tenho de admitir que me molha um pouco fazer isto contigo, por isso, também tiro alguma coisa de dentro dela. As riscas no teu rabo vermelho até são giras, é um bom visual para ti.”

“Algo mais que eu deveria chicotear-te, fazer uma confusão nas minhas cuecas por tua causa, agora estou todo molhado. Rapaz mau!” Eu ouço o riso dela, vira-te. Ouço-a subir as escadas e depois ela apaga a luz. Ela ignora os meus soluços, deixa-me a chorar no escuro total.

Uma hora depois, ouço-a descer as escadas. Ela acende a luz, meus olhos reagem à dor. Ela está a usar um vestido cor-de-rosa, o cabelo dela cai suavemente contra os ombros. Ela tem umas sandálias brancas de verão. Ela é feita na perfeição, banhada, suave e macia. Parece uma mulher bonita que se vê no centro comercial, no parque.

Ela atravessa a cave e senta-se ao meu lado… “Agora, aprendeste a tua lição?”

“Sim, senhora…sim.” Olho para o chão à minha frente, lágrimas secas no meu rosto, gosto do sal na minha boca. Lágrimas secas na minha frente, lágrimas molhadas ainda no chão.

“Bom”. Quando eu digo todo o trabalho doméstico, quero dizer todo o maldito trabalho doméstico. Quando eu disser alguma coisa, falo a sério, tu ouves. Quando disseste que serias meu escravo, pensaste que era um jogo? Não é.” Ela chega para baixo e destrava o meu anel de colarinho e os pulsos da corrente da parede. “Estou a levar esta coisa de marido submisso muito a sério.” Ela olha, “Solta os tornozelos, e tira essas coisas. Deixa o teu colarinho ligado, querida.”

Ela observa enquanto eu desfaço as minhas amarras. “Queres ver o quão sério eu sou em relação a tudo isto?” Ela está de pé… “Vamos.” Ela caminha para as escadas. Ela não espera por mim. Eu apresso-me para a apanhar.

Ela pára nas escadas, eu subo primeiro, e passa a mão por cima dos vergões nas minhas costas. Ela vê as minhas bochechas a apertar, queimar ao seu toque, tremer enquanto eu subo as escadas. Eu sinto a taça dela na minha bochecha traseira esquerda com a mão: “Ooooo, você está muito quente aqui atrás. Eu gosto disso. Isso diz-me que aprendeste muito hoje.”

Ela pega na coleira que ainda estou a usar, puxa-a com a mão. Ela leva-me para a porta da frente e empurra-me para longe. “Põe-te de joelhos.”

Há um par de calças, um par de sapatos e uma camisa atirada para uma pilha ao lado da porta. Eu ajoelho-me à porta, olho para eles.

“Ouçam. Podes vestir essas roupas, sair por aquela porta e ser um homem livre, livre da cabra dominante que criaste. Lembras-te quando vieste ter comigo, imploraste-me para jogar o teu joguinho de fantasia submisso? Lembras-te, querida? Eu lembro-me.

E eu fiz, eu joguei contigo, joguei o TEU jogo. Dei-te muito para te masturbares quando eu não estou por perto, tanto que a tua pilinha já não faz muito por mim. Isso está tudo prestes a mudar. Agora estou a fazer mais do que uma fantasia, querido marido.” Ela aponta para a porta. “Vai-te embora. Desafio-te.”

Ela fica a olhar para mim. Eu olho para ela.

“Eu não quero ir embora. Eu não quero. Eu quero ser tua, quero estar contigo. Eu amo-te.”

“E lembre-se que você disse isso. Você sai por aquela porta e eu posso garantir que voltará, implorando em menos de um dia ou dois, ‘por favor, por favor… leve-me de volta… por favor… faça-me o pequeno maricas que sou… por favor… jogue o meu pequeno jogo de maricas submisso, Mistress… por favor…’,” Ela me olha fixamente. “Abre a merda da porta e sai, desafio-te!”

“Não mãe, eu não quero ir embora, quero ser tua.” Sinto-me sufocar, sinto as lágrimas a voltarem aos meus olhos.

“Cala-te. Isto agora é muito real, eu deixo-te ser o meu menino e tu vais levar isto a sério. Eu gosto disto, gosto que sejas meu escravo. E tu não vais estragar tudo. Eu estou no controle, não tu. Na tua fantasia, estás no controlo. Bem, já não estamos a jogar o teu jogo estúpido, vamos viver o meu!” Ela grita para mim.

“Sim, mamã, sim. Vou ser boa, prometo… prometo.”

Ela olha-me de cima. “Lembra-te das tuas escolhas cuidadosamente, homenzinho. Tratas-me como eu quero ser tratado, és o melhor maridozinho que podes ser, e podes ficar na minha casa, a servir-me. E não me interpretes mal. Ainda podes merecer uma chicotada, mas eu não te vou expulsar, vou corrigir o teu comportamento, quando for preciso. Mas vais ficar na minha casa e ser o meu marido.”

Ela passa a mão pelo meu cabelo, pela parte de trás da minha cabeça. “O meu marido submisso da casa.”

“Agora, ouve isto com atenção também. Essa tua pilinha não tem feito um trabalho tão bom ultimamente, pois não? Não fica duro, fica em cima de mim a ranger durante cinco minutos, faz uma confusão, nem me faz ejacular. Acho que te masturbas demais, achas que fazes isso de mais. Precisas de controlo.” Ela dá-me palmadinhas na cara.

“Lembra-te que te posso levar para a cave sempre que quiser. Então queres ser um menino muito bom em todas as outras áreas da minha vida. Todas as áreas, como fazer a cama quando eu disser, lavar a roupa quando eu disser também. A FAZER A MERDA DAS TAREFAS DOMÉSTICAS A TODA A HORA!” Ela bate-me na cara, com força.

“Sim, senhora…sim…” Eu começo a chorar. Pensa em como deixei a roupa suja ir, não fiz a cama, pensa nela a dizer-me para ir à cave. “Lamento imenso.” Tenho muito medo dela agora, sinto a sua raiva. Ela levanta a mão outra vez e eu acobardamo-nos.

Ouço-a rir. Ela pega no meu cabelo na mão dela, puxa a minha cara para cima, em direcção à dela. Ela beija-me. “Queres ser o menino bom da mamã, não queres?” Ela chega para baixo e leva o cabelo por cima do meu pénis. “Perde isto. Quero que te depiles completamente quando eu chegar a casa. Pernas, o teu rabo, debaixo dos braços… tudo, se eu sentir algum restolho, vamos voltar para a cave. Entendido?”

“Oh sim, mãe. Eu faço isso por ti.” Eu olho para ela, ela está a sorrir.

“Bom”. Vamos ver se consegues continuar assim. Vou sair por um tempo, preciso de estar longe de ti, tu fazes tudo certo enquanto eu estiver fora. Tenho de pensar um pouco. Quando eu voltar vou inspeccionar-te, vamos ver se me consegues pôr de bom humor, talvez usar essa tua pilinha.”

Ela dá-me palmadinhas na cabeça. “Lembra-te, bebé liso, torna-te o meu menino, o mariquinhas da mamã.” Ela vira-se e caminha para a cozinha… “De agora em diante você deve ser barbeada e despida sempre que estiver na minha casa. De agora em diante, sempre lisa e nua em frente da mamã. Isso vai ajudar-me a lembrar que posso precisar de um homem a sério na minha vida, um que se torne duro e me possa foder como eu preciso, um que não se masturbe o dia todo.”

Ela me olha de volta. “Nem imaginas como estou zangada contigo agora, seria bom ter um homem com quem ir agora, sair desta casa desarrumada, ir brincar com ele.” Ela olha para mim enquanto se afasta. “Sei que isso também é um dos teus pequenos pensamentos sujos, vê-me a foder outro homem. Pode acontecer em breve. Acredita em mim, estou muito desapontado contigo, querida. Pensa nisso enquanto limpas a minha casa.”

Ela vai-se embora; ouve-a ir para a garagem para o carro dela.

Eu me apresso para me barbear no chuveiro e começar a limpar a casa, de cima para baixo, meu pau pensando muito nela com outro, masturbado duas vezes antes de ela voltar para casa.

Isso foi antes dela proibir isso sem a sua permissão, antes da minha gaiola de pénis. Esqueci-me das minhas costas e coxas desnudas, pensei em como ela me excitava, pensei em ser aqui a minha dona de verdade. Masturbei-me duas vezes a pensar nela, a pensar em tudo o que ela é para mim, a pensar nela a dormir com outro homem. Não pensei que isso fosse acontecer tão cedo.

Três meses depois, ela conheceu o meu patrão em casa dele, pela primeira vez.

“Gosto muito disto, não sabia se o faria. Tenho de te dizer, estou a gostar muito mais disto do que pensava que ia gostar.” Ele está a olhar para mim do outro lado da secretária, a sorrir para mim. “Sei que isto é difícil para ti, não penses que não aprecio como tudo isto é embaraçoso.” Ele sabe que o meu rosto está vermelho, vermelho vivo.

Ele chamou-me ao escritório dele, raramente faz isso. Ele só a leva para fora, vem a nossa casa, e faz o que lhe apetece, mas raramente fala comigo no trabalho. Quando o ouço chamar-me para ir ao escritório dele, odeio isso. Odeio ver a secretária dele a sorrir para mim. Tenho a certeza que ela sabe alguma coisa.

“Essa coisa, dói, a coisa que você usa?” Ele parece realmente interessado.

“Não.” Eu sinto vergonha. “Estou habituada.”

“Bom, mas fecha?”

“Sim.”

“Descobri isso na Internet, foi ideia dela. Fiz muita pesquisa, a página disse que é à prova de tolice, não a consigo tirar.” Ele inclina-se para a frente. “E diz que impede a erecção. Ai sim?”

“Sim.”

“Isso provavelmente é uma coisa boa. Ela já não te deve foder mais, não quero isso.” Ele senta-se na cadeira dele. “Eu quero aquela rapariga apertada, pronta para mim. Além disso, ela é minha namorada agora.”

Ele sorri novamente… olha através de mim. “Eu estou a gostar disto.”

“Sim, senhor.” Sinto-me tão envergonhada, não consigo falar.

“Ela quer deixar-te masturbar; não quero saber, até ela. E eu sei da coisa do “há a porta”, da coisa do “podes pegar ou largar” que ela te faz. O mesmo aqui, se queres que tudo isto acabe… podes desistir desta empresa.” Ele olha para mim. “Você quer; isso te passa pela cabeça? Ali está a porta.” Ele sorri maliciosamente.

Eu olho para o chão. “Eu não quero, a sério. Eu quero agradar à minha mulher. Eu quero ficar, por favor.”

Ele ri-se: “Óptimo, eu também. Não fazes ideia do quanto eu gosto de agradar à tua mulher, adoro foder aquela rapariga. E ela precisa que você trabalhe para mim.” Ele está de pé. “Estou a dar-te um aumento, a aumentar o teu salário $1,000 por mês. Espero que lhe dês as coisas que ela quer, precisa. Como eu disse, ela tem muitas ideias.”

Ele vê a minha cara a corar, os olhos quase a rasgar. “Ela sabe disto, nós conversamos. Pensa nisto como um aumento para ela mais do que é para ti. Eu tenho dinheiro para isso. Ele olhou pela janela no parque de estacionamento. “Algumas coisas que vais comprar para a tua pequena cave, ela vai dizer-te.” Ele olhou para mim. “Eu também sei disso, a tua sala de castigo.”

“Sim, senhor.” Sinto o meu coração afundar; sinto-me completamente à sua disposição e ao seu chamado.

“Isto deve ser difícil para você; eu nunca tive a coisa submissa acontecendo, também não estou realmente interessado em ser dominante”. Nunca pense que eu faço parte dessa sua fantasia. Para mim, é sobre aquela rapariga. Eu só gosto da tua mulher. Ela é uma cabra insaciável. Extremamente gira, extremamente pronta, e para dizer de forma suave, ela gosta de foder como um coelho.

Eu gosto disso, muito. Andamos à procura de uma dessas há algum tempo, ela e eu satisfazemos as necessidades um do outro. Perfeitamente, ela fica bem no bar do meu braço; ela fica bem de joelhos na minha frente, garota perfeita!” Ele anda até à borda da secretária, olha para mim.

“Quero que lhe compre uma dúzia de rosas vermelhas a caminho de casa esta noite, escreva no cartão: ‘Para o meu companheiro de brincadeira perfeito e para o meu rabinho perfeito, mal posso esperar para te ver outra vez!’. Assina o meu nome. E quero que escolhas uma roupa muito sexy, algo com rufos, tipo menina, muito feminina e sexy. Arranja algo que faça dela a menina que eu penso que ela é.

Vê na Internet quando voltares ao teu escritório, estou a contar contigo. Fá-la ter 18 anos e ansiosa, talvez umas cuecas desgrenhadas para mostrar aquele rabo lindo. Não sei se ela te disse, mas essa é a minha parte preferida dela.” Ele ri-se como está. “A minha verdadeira parte favorita dela, esse rabo faz-me pensar muito nisso.”

Ele olha para mim, caminha para a porta. “Acho que terminamos aqui.” Ele agarra-se à maçaneta da porta. “Não se preocupe. Eu não me vou apaixonar por ela.” Ele sorri para mim, “Só vou fodê-la tonta, divertir-me muito com ela.” Ele põe a mão no meu ombro. “Vais conseguir ultrapassar isto.”

Ele disse que quando estava abrindo a porta, olhou para sua secretária enquanto dizia a última frase. Pensei que ela deve tê-lo ouvido. Eu saí do seu escritório sentindo pânico, não lhe disse nada enquanto eu passava, de volta ao meu escritório, estava numa névoa.

Ao voltar para o meu escritório, percebi que não lhe agradeci pelo aumento de salário. Senti pânico, tive medo que ele ficasse furioso comigo, sentia um novo medo deste homem. Liguei-lhe do meu escritório, pedi-lhe desculpa por não lhe ter agradecido. Ele disse-me: “Não faz mal, tens muito em que pensar”, disse que compreendia. Eu ouço a secretária dele no chão dos fundos. Eu aqui ele diz-me: “Sê muito bom para aquela tua linda mulherzinha boazona.” Ele desliga o telefone.

Fico a olhar para o espaço durante o que parece ser uma hora.


TERCEIRA PARTE:

Ela é macia e macia, acabou de sair do duche, deixou-me secá-la. Não posso fazer as tarefas do duche, lavá-la, rapá-la, etc. Ela diz que demoro muito tempo e não o faço como deve ser. Mas eu posso secá-la e vesti-la muitas vezes antes de sair à noite. Depois de ela arranjar o cabelo e maquilhar-se, manda-me ajudá-la com os seus trajes.

Ela sabe que eu adoro fazer isso por ela; sinto-me recompensada por ter permissão para fazer isso. E ela aproveita ao máximo. Ela provoca, excita-me tanto, que sabe que me enlouquece ao fazer as mais pequenas coisas por mim. Como me mandar beijar o pé dela antes de lhe pôr uma meia, ou mandar-me pôr o nariz à frente da rata dela enquanto me ajoelho diante dela, podendo sentir o cheiro dela pronta a sair para uma noite. Estas são algumas das coisas especiais que ela faz por mim.

“Sabes, querida, às vezes quando te vejo assim tão atenta, sinto coisas por ti, sinto por mais ninguém.” Ela aplica a sua maquilhagem nos olhos, olha para o espelho.

Estou ajoelhado ao lado da cama. Acabei de aplicar o lubrificante dela, com o que ela me provoca, chamando-o “o único trabalho de maquiagem que sou capaz de fazer bem para ela”. Ela tem-me a fazer a sua traseira escorregadia para ele, faz a sua traseira facilmente fodível. Eu a lubrifiquei com K-Y antes de me vestir para os encontros dela com ele.

Fui treinado para fazer isto, fá-lo em apenas alguns minutos. Também me asseguro que ela não mancha a roupa sentada ou em movimento. Certifique-se que ela fica sexy em um bar ou restaurante enquanto se veste, talvez em uma festa com ele, andando por aí sem manchar a calcinha ou a saia dela.

Ela senta-se nua na sua mesa de maquilhagem. Eu sempre olho para ela por trás, penso em como ela nunca me deixa fazer isso com ela, nem uma vez desde que estamos casados, nem uma vez em cinco anos. Penso nele a foder-lhe o belo traseiro sexy, às vezes penso em como ele lhe fez isso na primeira vez que saíram.

Ela não faz nada de erótico com este trabalho, esta função que ela me faz desempenhar antes de todos os encontros dela com ele. Ela me faz colocar geleia K-Y no seu pequeno buraco e depois meticulosamente limpar o traseiro dela depois que ela estiver completamente lubrificada por dentro e pronta para o acesso. Ela se coloca na cama, de mãos e joelhos, sempre nua, não diz nada ou até mesmo me diz para fazer mais. Ela sabe que eu sei o que fazer assim que a vejo naquela posição.

Estou sempre esperando para ajudá-la com isso, ajoelhada ao lado da cama dela, esperando que ela saia do banheiro, K-Y e toalha na mão. Isto é tudo para o amante dela, não é para mim.

Olho para a sua linda extremidade traseira, sentada no banco branco almofadado. Eu sei que se ela ficasse de pé e houvesse a mínima mancha, eu seria chicoteado. Aprendi a fazê-lo bem, sei que ela não vai manchar a sua cadeira de maquilhagem.

“És um homenzinho muito especial para mim, não te posso dizer o quanto amo a nossa vida juntos e as coisas que fazes por mim.” Ela concentra-se no olho esquerdo, escurece as pestanas. “Tu sabes que te amo, querida. Estarei em casa mais cedo hoje à noite. Ele tem um voo de negócios amanhã, não vamos sair tarde. Só jantar e depois provavelmente voltar para a casa dele.

Talvez até isso não, talvez só foder no carro dele.” Ela ri-se. “Ele adora isso, diz que é mais sujo assim, diz que se masturba a pensar em foder-me no carro dele. Aquele homem diz as coisas mais sensuais.”

Ela começa a aplicar o batom, tão bonita, que é linda. Ela faz os lábios e depois delineia-os. Eu penso nos lábios dela, penso nela a descer sobre ele. Eu penso nela a chupá-lo com aquela boca linda.

“Então, se a mamã chegar cedo a casa, talvez te use para me fazer ejacular outra vez, talvez te ponha na cama, ajoelhe-se em cima de ti, ejacule toda a tua atenciosa e gira cara. Gostarias disso, querida, gostarias de fazer isso por mim?” Ela termina os lábios, sorri para mim no espelho.

“Sim, mãe, oh sim…por favor…por favor deixa-me fazer isso por ti. Por favor.” Olho para ela, sinto o meu pénis a esticar no meu tubo de castidade.

Ela ri-se. “Vamos ver.” Ela está de pé. Ela está nua, maquilhada na perfeição, com o cabelo bem preso num carrapito, brincos pendurados no pescoço, tão quentes, tão estilosos para ela. Sinto uma onda de tremendos ciúmes. Ela é linda e pertence a ele. Sempre que penso nisso, sinto uma lágrima no meu olho.

Ela olha para o banco da mesa de maquilhagem dela. Depois ela olha para mim. Sinto o meu coração saltar, sinto o meu humor ciumento desaparecer, sinto medo. Ela manchou o banco? Será que eu falhei com ela; fiz com que a traseira dela manchasse o banco???

“Bom trabalho, mais uma vez, muito bom trabalho. A mamã está tão escorregadia ali atrás. Sinto-o sempre que me mexo. Ela mexe os quadris, ri-se, dá palmadinhas nas costas. “Oooo, eu sei que ele adora isso, adora ser capaz de me levar assim e não ter de me molhar lá atrás primeiro. Ele gosta de ser capaz de me empurrar para dentro de mim.” Ela está a controlar-se para cima e para baixo, a pensar em voz alta. “Sou uma namorada muito boa, espero que ele aprecie verdadeiramente o que faço por ele. A maioria dos homens não faz a menor ideia do que nós mulheres fazemos para lhes agradar!”

Ela se olha no espelho uma última vez. Ela caminha para o lado da cama, olha para mim. “Vamos vestir-me, temos reservas para jantar; não quero deixar o meu namorado à espera. E eu estou atrasada.”

One thought on “Marido Submisso Aprende uma Lição

  • 27 de Julho, 2020 at 20:34
    Permalink

    Procuro MULHER hotwife quero ser Cuckold:
    https://procurohotwife.blogspot.com/
    Para relacionamento sério e casar com a minha futura hotwife, para ter um casamento liberal, procuro uma mulher inteligente, que não tenha medo e vergonha de conversar sobre SEXO, Tem que ser tarada por SEXO, vadia, fogosa, sem frescuras, cheirosa, divertida, alto astral, insaciável, bem putinha na cama, que não tenha vergonha e nenhum tabu… que GRITE e saiba gemer na ROLA do comedor, que goste de FAZER DP, vaginal, anal, que goste de fazer ménage, gang, fisting anal e vaginal, que chupe e deixe os COMEDORES gozar na boca e na BUCETINHA e deixar toda MELADINHA de PORRA, quando escorrer QUERO limpar TUDO com a língua… Quero sentir a BUCETINHA e o CUZINHO arrombado e cheio de PORRA dos comedores quando eu for penetra-la, (creampie) quero ser cúmplice de todas as aventuras, quero ser corno ativo, ajudar minha hotwife e encontrar machos e marcar os encontros com os COMEDORES. Que me chame de corninho na hora que estiver na cama com outros machos, sempre vai estar liberada para transar com quem quiser e sempre vou ser fiel e estarei junto para cuidar depois que os comedores se aproveitarem da minha hotwife! Futuramente quero que a hotwife tenha um amante FIXO e vários namorados e juntos vamos satisfazer todas as suas vontades SEXUAIS… Quero levá-la nos encontros em motéis, casas de Swing, e também quero receber os COMEDORES em casa… Me sinto realizado em ver minha hotwife se satisfazendo e chegando ao orgasmo com outros HOMENS, sinto TESÃO em ver minha hotwife namorando com outro na minha frente, ficarei observando e também quero participar das TRANSAS, enquanto o comedor a penetra quero chupar o clitóris, fazer beijo grego na minha hotwife.
    Quero MULHER discreta, sigilosa uma dama na sociedade e uma puta na calada da noite. Após o casamento quero que ela faça uma tatuagem Damas de espadas para identifica-la no mundo da libertinagem…
    Juntos vamos realizar todas as nossas fantasias, Busco além de ser seu amor, ser seu amigo, seu confidente, companheiro e corno manso.
    Tenho 35 anos, 1.75 altura, 78 Kg, Branco, prático atividades físicas, malho todos os dias, sou heterossexual, Moro em Umuarama no Paraná região Norte.
    contato: [email protected]

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.